Bancários participaram de panfletagem e diálogo junto a população para convocação do Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência, no dia 22, às 17h, no Masp

Foto: Seeb-SP

Nesta terça-feira 19, dirigentes do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região estiveram na Praça do Patriarca, na região central de São Paulo, dialogando com a população sobre a nefasta proposta de reforma da Previdência apresentada pelo governo Bolsonaro. A atividade dos bancários fez parte de uma ação de diversos sindicatos cutistas em todo o estado de São Paulo para mobilizar trabalhadores a participarem do ato contra a reforma da Previdência que ocorre na sexta, dia 22.
Na capital paulista, além da ação na Praça do Patriarca, protagonizada por bancários e servidores municipais, com diálogo junto a população e distribuição de panfletos informando os prejuízos da proposta de reforma da Previdência, também foram feitas mobilizações nos principais pontos de passagem da cidade como a Estação Lapa e o Terminal Cachoeirinha.
“A nossa ação faz parte do Dia Estadual da Panfletagem, que envolveu diversas categorias na convocação para o grande ato do dia 22, Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência. A receptividade na Praça do Patriarca foi muito boa. Um jovem veio me questionar se conseguiria se aposentar. Tem 25 anos e 1 ano de contribuição. Respondi que se nós não lutarmos, todos, ele não conseguirá”, relata a bancária e dirigente sindical Adriana Magalhães.

> Calcule o seu prejuízo com a reforma da Previdência
> Reforma da Previdência: trabalhar mais para ganhar menos

Outros locais – No ABC Paulista, na Grande São Paulo, os sindicatos, a subsede da CUT e movimentos sociais panfletaram em frente aos terminais de ônibus e estações de Mauá, Diadema, Santo André e São Bernardo do Campo. Os sindicalistas de Diadema também participaram de ações no metrô Jabaquara, na zona sul da capital.
Já na Baixada Santista, a mobilização ocorreu na barca de Santos e Guarujá e em frente à unidade local do INSS.
No interior, em São Carlos, metalúrgicos e servidores municipais foram para a porta das fábricas Electrolux e SAAE, ainda pela madrugada, dialogar com os trabalhadores. E em Sorocaba, as vestuárias se reuniram na empresa Diacon para entender o projeto que, se aprovado pelo Congresso, irá acabar com a aposentadoria de muitos brasileiros.

Fonte: Redação Spbancarios, com informações da CUT-SP