Mobilização vai ocorrer no sábado, 29 de maio, por todo o país.

Bancários de todo o país vão se juntar às demais categorias neste sábado (29) no Ato Nacional pelo Fora Bolsonaro. A mobilização foi convocada por movimentos sindicais e sociais para pedir a saída urgente do presidente Jair Bolsonaro.

Na pauta, além do pedido de impeachment, estão o pedido pela aceleração do ritmo de vacinação, o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), o auxílio emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia do Coronavírus (Covid-19), políticas para geração de empregos, a luta contra a volta às aulas presenciais e contra a reforma Administrativa. Os participantes também irão denunciar a volta da fome e da carestia no país, que têm colocado muitos brasileiros na extrema-pobreza.

Não faltam motivos para a categoria bancária se mobilizar contra o governo Bolsonaro, que mergulhou o país em uma profunda crise econômica que atinge a população. Aumentou o desemprego e estimula ataques constantes contra as empresas públicas, entre elas os bancos públicos como a Caixa, Banco do Brasil e bancos públicos regionais e de fomento. Para agravar ainda mais o sofrimento da população, age contra todas as medidas de combate à pandemia, é contra vacina, medidas de restrição e cuidados para evitar o contágio. É um governo de morte. É importante mobilizar nas redes sociais neste sábado. ‘Fora Bolsonaro’”, afirmou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira.

Essa é a primeira vez que entidades sindicais e movimentos sociais convocam manifestações de rua contra o presidente durante a pandemia.

Como ir pra rua?

  • Diversos pesquisadores e militantes apontam a possibilidade de realização de atos de rua tomando alguns cuidados sanitários antes, durante e após os atos. Primeiramente, é preciso afirmar que qualquer ação massiva vai gerar algum grau de risco de contaminação, portanto, é necessário realizarmos um duplo movimento de construção de orientações sanitárias e convencimento do povo da possibilidade de protestar com cuidados.
  • Atualmente, há mais informações sobre a forma de contaminação pelo novo coronavírus do que havia há um ano. Estudos mostram que a transmissão do novo coronavírus se dá, principalmente, por via aérea, enquanto a transmissão por superfície é baixa. A partir dessas novas informações, de vários espaços de organização dos movimentos populares e ouvindo especialistas de saúde coletiva, sistematizamos as seguintes orientações que contribuem para a realização de protestos com cuidados:

Quem não deve participar dos atos:

Pessoas que apresentam sintomas de covid-19, que tenham tido contato com alguém que teve confirmação recente de contaminação com o novo coronavírus, que possuam comorbidades ou que residam com alguém que as possua.

O que fazer antes do ato:

É necessário tomar cuidado redobrado com o transporte público. Evitar meios de transporte sem janela e que tenham muitas pessoas. É imprescindível que a pessoa já saia de casa utilizando máscara, preferencialmente do tipo PFF2 ou N95.

O que fazer durante o ato:

  • Mantenha-se sempre ao ar livre e preferencialmente a uma distância de 1 a 2 metros de outras pessoas. A fim de possibilitar o distanciamento, os movimentos populares vêm apontando a possibilidade dos atos de rua serem organizados em fileiras com distância de pelo menos 1 metro entre cada pessoa.
  • Não retire a máscara para comer, conversar, falar ao microfone ou fumar. Apenas retire a máscara para trocá-la caso ela esteja úmida. Se for necessário trocar a máscara, se afaste das demais pessoas para fazer isso.
  • Limpe as mãos frequentemente com álcool em gel 70% e evite tocar mucosas dos olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam devidamente higienizadas.
  • Não compartilhe objetos de uso pessoal e, se for possível, leve mais de uma máscara PFF2 ou N95 para distribuir para quem não as tem.

O que fazer depois do ato:

  • Não confraternizar com amigos em bares, nem em casas, após o ato. No caminho de volta, tome os mesmos cuidados com o transporte público. Apenas retire a máscara ao chegar em casa.
  • Lembre-se que dinheiro, documentos e celulares podem ser fonte de contaminação. Portanto, higienize esses objetos logo que puder.

Fonte: Contra-CUT