A dirigente sindical e integrante do Coletivo de Mulheres da CUT-SP, Maria de Lourdes, a Malu, comenta que o problema tem crescido cada vez mais no Brasil, e tem afetado mulheres próximas principalmente em São Paulo, por conta da crise causada pelo coronavírus.

” O Sindicato apoia essas iniciativas, mas também cobra do Estado que faça a sua parte. Em uma sociedade onde estamos voltando a ter insegurança alimentar, que voltamos ao mapa da fome, o absorvente não é nem lembrado. Se nós mulheres não trouxermos essa pauta, o sofrimento dessas mulheres ficará invisibilizado, por isso convocamos todos a colaborar, a ter empatia”, enfatiza.